domingo, 30 de junho de 2013

Tarte de Frango

Espreitei o blogue da minha amiga Leonor e vim de lá com esta ideia fantástica que tratei de pôr em prática o mais rapidamente que pude. Um almoço de família foi o pretexto. De aspecto ficou maravilhosa. Linda mesmo! E o cheiro que invadiu a minha cozinha? Nem vos conto...


E para variar é mesmo como gosto! Fácil de se fazer... Então fiz assim:

Cozi 2 peitos de frango (podem aproveitar restos) e desfiei-o. Coloquei-os em cima de uma base de massa quebrada de compra.

Numa taça juntei 2 ovos, 2 iogurtes naturais e 1pct de natas. Sal e pimenta. Mexi bem. Verti sobre o frango.

Por cima polvilhei com queijo ralado da Ilha. Foi a forno pré-aquecido durante +- 35 m.

Nham! Nham!


sábado, 29 de junho de 2013

Tarte de Maçã Deliciosa

O meu filhote mais novo tem algumas alergias e ando sempre a ver se descubro receitas rápidas mas que ele possa comer... Sem leite e sem ovo. Esta tarte não podia ser mais fácil!

Com uma base de compra de massa folhada, 4 pequenas embalagens de polpa de maçã, 3 maças fatiadas embebidas em sumo de limão, um pouco de mel e canela e voilá!

Estende-se a base (para a próxima faço numa tarteira maior) e coloca-se no fundo a polpa de maçã. Por cima as fatias regadas com mel e canela. Forno pré-aquecido a 180* durante 20m. E fica assim:


sexta-feira, 28 de junho de 2013

Pão Alentejano com Maionese e Bacon



Uma entrada muito apreciada cá em casa! Nunca sobra, isso é garantido!

Muito fácil de se fazer: corta-se um quadrado no pão e retira-se o miolo quase todo, em pedaços grandes.

Numa tigela misturei maionese, cebola e olhos picados, bacon aos quadradinhos e algumas ervas (salsa e oregãos). Enche-se o interior do pão com esta mistura.

Leva-se ao forno juntamente com os pedaços de miolo e deixa-se torrar levemente. Serve-se quentinho! Coloco sempre algumas tostas para acompanhar mas quem tem o privilégio de comer esta entrada barrada nos pedaços do miolo retirados do interior do pão fica muito agradado!

No final, quando quase já não há a mistura da maionese com o bacon nada melhor do que pôr as mãos no pão e cortá-lo em pedaços... Uma pequena maravilha para as nossas papilas gustativas!

Experimentem! E podem juntar delícias ou chouriço em vez do bacon.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Escritores na Cozinha... com Cláudia Santos


Frango em molho de cebola, com arroz de agriões e tomate no formo

Esta é uma refeição muito apreciada cá por casa.

O frango, aprendi a fazer com a minha cunhada Fátima. Os tomates são inspiração dos muitos minutos a observar o Jamie Oliver na televisão. O arroz é uma herança da minha avó. É, portanto, uma mistura de influências, um reflexo de quem sou.

Frango em molho de cebola:
Numa travessa, colocar as pernas de frango. Deitar por cima a sopa de cebola e regar abundantemente com água. Levar ao forno (200º durante 40 minutos). Deixar a pele tostar para ficarem mais saborosas.


Arroz de agriões:
Num tacho refogar cebola picada com azeite. Uma vez a cebola amolecida, juntar cenoura cortada aos quadradinhos e os agriões. Envolver e deixar refogar em lume brando. Assim que a cebola começar a ganhar cor e a cenoura e os agriões comecem a ficar amolecidos, juntar o arroz e envolver deixando refogar por uns instantes. Juntar água e sal qb. e deixar cozer em lume brando durante 15 minutos.

Tomate no forno:
Lavar bem os tomates e retirar a parte de cima, por forma a absorver mais tempero. Numa travessa colocar os tomates, temperar com sal fino, alho picado miudinho e óregãos. Regar generosamente com azeite. Levar ao forno (c.200ª durante 30 minutos). Para evitar que faça fumo, tape, sem fechar a travessa com papel de alumínio.

Para nós…uma delícia.

Para acompanhar, nesta altura do ano, sugiro uns belos morangos e um bom vinho tinto. 

Livro “A Chave”

Sinopse
Maria do Carmo Ferreira depara-se, acidentalmente, com um trabalho de investigação
histórica que a leva a viver um delicado enredo familiar e a acordar a sua consciência para uma realidade oposta à sua vida rotineira e confortável. Quando Letícia lhe diz "as coisas estão prestes a mudar. A Maria do Carmo está a viver um momento de esclarecimento. Não se esqueça que o mundo que pensamos que existe pode não ser bem aquilo que de facto é" e depois lhe pergunta "tem a certeza de que está acordada? Tem a certeza de que o seu sonho é mesmo um sonho?" Maria do Carmo sente a sua existência tremer e as suas certezas transformarem-se em dúvidas. A evolução da investigação histórica e a procura de uma resposta para os pesadelos que a atormentam todas as noites, transportam Maria do Carmo para uma viagem de descoberta e de esclarecimento sobre a sua própria existência, que lhe irá revelar uma realidade, para si, impensável.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Um amigo, uma receita com... Maria José Pinho


Pudim de cenoura (na Bimby)

Ingredientes
350g de açúcar
100g de coco ralado
4 cenouras grandes

8 gemas + 4 ovos
250g de água
1 casca de limão
caramelo líquido qb

Preparação
Coloque o açúcar no copo, junte a água e a casca de limão e programe 8 min na vel 1, temp varoma.
Retire a casca do limão.
Descasque e lave as cenouras, corte-as em pedaços e coloque-as no copo.

Adicione ainda as gemas, os ovos e o coco ralado e triture 30 seg na vel 7-8-9.
Verta o preparado numa forma forrada com caramelo e leve ao forno preaquecido a 180º, em banho maria, durante 45 min.

Verifique que está cozido (teste do palito), retire do forno e deixe arrefecer dentro do banho maria.
Depois de frio, desenforme e decore a gosto.

(receita de Petit Chef)

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Escritores na Cozinha... com Carla M. Soares

Quiche do mar


(quiche de salmão com camarão e búzios)

Na cozinha sou uma pessoa muito prática e que costuma sempre aproveitar as sobras. Muitas vezes sobras significam quiches! A minha filha diz que são as melhores do mundo, mas é suspeita. Esta quiche també me serve ara aproveitar o que sobrou de uma patuscada de fim de semana, camarão e búzio cozido. Ficou deliciosa, e é tão boa para o jantar, com uma salada e batatas fritas, como para um snack rapidinho, bem fria.
Devo avisar que cozinho “a olho”, por isso as quantidades são aproximadas. Costumam dpender do que tenho no frigorífico.
Ingredientes:
  • Uma embalagem de massa quebrada (eu uso a daquele supermercado que fez uma certa campanha no ano passado...)
  • Um filete de salmão (pode ser congelado, claro)
  • Camarão cozido (usei uns 10 ou 15 camarões médios)
  • Buzio cozido (varia com o tamanho, mas uma pequena quantidade é suficiente)
  • Espinafres em folha (frescos, a gosto)
  • Cebola picada (uma mão mal cheia, e a minha não é grande)
  • Bacon (também uma mão mal cheia)
  • Cogumelos em fatias (usei frescos, apenas dois de bom tamanho, mas também podem ser de lata)
  • Dois ovos
  • Uma embalagem de natas magras (200 ml)
  • Uma embalagem de molho bechamel (mesma quantidade)
  • Um pouco de queijo ralado, daqueles para pizza (a gosto)
  • Uma pitada de pimenta preta e alho em pó
Preparação:
Para a massa, siga as instruções da embalagem, tire-a para fora do frigorifico pelo menos 15 minutos antes de usar e ligue o forno quando começar a preparar. Eu faço tal qual como eles mandam e ainda não me dei mal.
Nesses 15 minutos, coza o salmão (eu cozi-o dentro da embalagem de plástico durante 2 ou 3 minutos no micro-ondas, não tenho paciência para sujar mais tachos) e desfaça-o em lascas. Descasque o camarão e retire os búzios da casca (eu lavo os búzios, às vezes estão viscosos, blagh...) e corte tudo em pedaços. Grandes ou pequenos, é consigo, mas os búzios “notam-se” na quiche se estiverem grandes. Corte um pouco os espinafres, pique a cebola e o bacon, corte os cogumelos em quatro e depois em fatias.
Estenda a massa numa tarteira, usando o papel vegetal que vem com a embalagem, e pique-a com um garfo. Deite tudo o que cortou, picou e desfez lá para dentro. Sim, tudo à molhada, e o queijo.
Numa tigela, misture os ovos com as natas e o bechamel e tempere com a pimenta e um pouco de alho em pó. Estes dois ingredientes são opcionais, se não gostar, é deixar de fora. Deite a mistura para cima... da outra mistura, e.... misture tudo muito bem, para ficar bem distribuitdo e uniforme. Dobre as pontas da massa para dar aspecto de quiche a sério, e corte o excesso de papel.
Ponha no forno, a meio, durante uns 25 minutos, mas vá vigiando. Queimada não presta, já experimentei, mas no ponto, hmmmm...

Alma Rebelde
Alma Rebelde não foi o primeiro livro que escrevi. Antes dele, a abrir caminho, estiveram vários romances de fantasia, que provavelmente nunca verão a luz do dia. Mas foi o
primeiro romance de época em que me aventurei e o primeiro que, depois de completo, me atrevi a enviar às editoras. Teve sorte, ou virtude suficiente para agradar à Porto Editora e para, muito tempo depois da aprovação, ser lançado num 25 de Abril de chuva torrencial. 
É uma história simples de uma jovem do século XIX, insatisfeita com as limitações do seu tempo, atirada país fora numa viagem indesejada para um local desconhecido, e a quem a vida acaba por preparar belas surpresas. Uma delas, a principal, é Santiago, o noivo impulsivo. Fala de amor, claro, mas também de laços familiares, dos valores da época, do desejo de ser mais e fazer mais, de crescimento pessoal. E é uma aventura, a que leva a nossa heroína para longe de Lisboa, e depois para longe do país...
Passado um ano da sua publicação, posso apenas esperar que a sua leitura tenha proporcionado o mesmo prazer com que foi escrito, como digo sempre, um prazer simples, doce, um pouco melancólico, talvez. E que tenha deixado um gostinho para a leitura de outros livros que, quem sabe, talvez venha a publicar.
Carla M. Soares

domingo, 16 de junho de 2013

Tempero para carne ou peixe

Vi hoje algo parecido aqui na Net e com umas pequenas alterações ficou assim:



É só colocar 2 cebolas, 6 dentes de alho, azeite, um pouco de óleo, salsa, tomilho e um pouco de sal triturando depois muito bem na bimby (ou na varinha mágica). Guardar no frigorífico. Ainda não experimentei mas quanto ao cheirinho parece-me bem!

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Um amigo, uma receita com... Fernanda Palmeira


Quem me conhece sabe que tenho dois hobbies especiais que são grandes paixões - os livros e cozinhar. Desde que a Bimby chegou a minha casa (não tarda há 5 anos) tornei-me fã indefectível e utilizadora acérrima.
E facilmente transformo as receitas tradicionais em receitas "bimbáveis".
Qualquer destes hobbies tem enriquecido a minha vida com amigos com as mesmas paixões, e tem-me levado à partilha dicas e receitas ou livros, nomeadamente através da participação em grupos específicos no Facebook e em blogs.
A paixão pela Bimby é partilhada com várias amigas no blog Bimby and me e as receitas que hoje aqui apresento são da Sheila Marques - Brisas Africanas - e da Lília Matias - Bolinhas de Bolacha com Sabor a Café.
Qualquer das receitas é adaptável para a forma de preparação tradicional, embora  o poder de trituração da Bimby seja particularmente importante para a consistência destes docinhos.

Aqui fica a minha sugestão! 
100% recomendado!


Brisas africanas
Ingredientes:

  • 80gr bolacha de água e sal (tb dá com bolacha maria) 
  • 200gr açucar amarelo (tb dá com açucar branco) 
  • 50gr cacau em pó 
  • 50gr chocolate em pó 
  • 1 colher de sopa de café soluvel (coloco descafeinado) 
  • 50gr manteiga (à temperatura ambiente) 
  • 1 ovo 

Preparação: 
Colocar no copo as bolachas e triturar 15seg/Vel.9 Juntar os restantes ingredientes e misturar 20seg/Vel. 5 Deixar a massa repousar cerca de 30 minutos Moldar em bolinhas e envolver em açucar branco ou côco ralado.

Obs: geralmente dá para 30 a 35 brisas, para bolinhas de tamanho médio


Bolinhas de Bolacha com Sabor a Café
Ingredientes:

  • 400 gr de bolacha Maria
  • 200 gr de açúcar
  • 100 gr de margarina derretida
  • 1 ovo
  • 1 café expresso, forte

Preparação:
Triturar a bolacha 15 seg/ vel 9
Juntar todos os ingredientes excepto o ovo e programar 10 seg./Veloc 3
Juntar o ovo e programar 1 min/ Veloc 4
Verificar se está uma mistura homogénea e misturar mais uns segundos à mesma velocidade, se necessário
Deixar arrefecer , untar as mãos com óleo e formar bolinhas
Passar por açúcar pulverizado ou outra cobertura a gosto.



quarta-feira, 12 de junho de 2013

Escritores na Cozinha... com Luísa Fortes da Cunha


Tarte de maçã
Ingredientes:
125 de margarina
125 de açúcar
125 de farinha
2 ovos
6 maçãs
Mistura-se a margarina com o açúcar, depois juntam-se as gemas. Depois adiciona-se as claras em castelo e por fim a farinha.
Espalha-se o preparado numa forma untada e forra-se a massa com meias luas de maçã.
Vai ao forno.


Teodora e o Segredo do Templo
No último encontro anual, o Mago Saramago deixou Teodora, Alex e Gil com uma frase não só enigmática mas também assustadora: “o fim do mundo pode estar próximo…” Agora, com a ajuda dos pratos de ouro e do código Ottendorf, os três amigos vão partir numa perigosa missão em busca dos segredos mais bem guardados da civilização maia. Mas atenção: a malvada Pooka e os seus servos não deixarão de estar à espreita, aguardando o momento certo para pôr à prova a inteligência, a coragem e a perseverança dos nossos heróis. Nesta nova incursão pelo Mundo Paralelo esperam-te mistérios, magia e aventuras de cortar a respiração.

Luísa Fortes da Cunha


segunda-feira, 10 de junho de 2013

Espuma de Morango

Em poucos minutos temos esta sobremesa fresca pronta para ir para a mesa! Aliás é melhor fazê-la quando estivermos a acabar o segundo prato porque ela é gostosa acabada de fazer.

Coloquei 100 gr de açucar a pulverizar na bimby, 15 seg, vel. 9.

Depois juntei 350 gr de morangos congelados e uma colher de sopa de sumo de limão. 30 seg, vel 5.

Coloquei a borboleta, duas claras e meti 3m, vel 3,5. Pronta a comer! Foi de tal maneira que só me lembrei da foto quando estava a pôr o que sobrou numa caixa... Vou congelar e depois quando quiser comer é só voltar a colocar na bimby durante 1m, vel 9.

Ou podem comer assim, saído do congelador, como gelado!

domingo, 9 de junho de 2013

Coentros em Azeite

Hoje trago-vos uma dica que andava há muito para experimentar. Um fim de semana alargado, uns coentros que ficariam a murchar no frigorifico levaram-me a colocar mãos-à-obra. Nada de mais simples e fácil...


Como podem ver nas imagens é só encherem de azeite as covetes de gelo onde colocaram previamente coentros ou outras ervas frescas. Deixar congelar e depois retirar para um saco as bolinhas. Quando precisarem de usar é só usarem quantas quiserem. Até na sopa devem dar um gostinho todo especial! Adoro coentros na sopa...


quinta-feira, 6 de junho de 2013

Um amigo, uma receita... com Marília Gonçalves

Lasanha de Atum

Um dia destes apeteceu-me fazer uma lasanha diferente, que não fosse de carne, pesquisando encontrei várias versões de lasanha de atum umas mais complicadas, outras com mais ingredientes. resolvi simplificar, alterei algumas coisas e o resultado foi uma receita fácil de fazer mas que cá em casa achámos muito boa...não sobrou nada!

30 minutos 4/Pax

Ingredientes para a lasanha:

200g de queijo mozzarella
150g de cebola
2 latas pequenas de polpa de tomate
1 lata grande de atum
100g de azeite
1 embalagem de lasanha
1 colher de chá de pimentão doce
1 folhas de louro
Um raminho de salsa
Sal q.b.

Ingredientes para o bechamel:
1000g de leite meio gordo
90g de farinha
40g de manteiga
Sal q.b.
Pimenta q.b.
Noz-moscada q.b.

Preparação:

  1. Rale o queijo 3 a 4 seg.vel.9
  2. Coloque no copo a cebola e 50g de azeite e pique 5 seg. vel.5. posteriormente adicione uma folha de louro e refogue de 5 min., Varoma, colher inversa, vel.1
  3. Junte a polpa de tomate e o atum, junte a salsa picada grosseiramente, tempere com sal e pimentão doce e programe 10 minutos, 100º, colher inversa, vel.2. Reserve
  4. Coloque no copo todos os ingredientes para o bechamel e programe 8 minutos, 90º, vel. 4.
  5. Num pirex barrado com um pouco de manteiga coloque uma folha de lasanha, uma camada do molho de tomate com atum, uma camada de molho bechamel, uma camada de lasanha e uma camada de molho de tomate com atum, assim sucessivamente, acabando com uma camada de lasanha coberta com bechamel e queijo ralado.

Fonte: www.mundodereceitasbimby.com.pt
Alterada  por 
Marília Gonçalves

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Escritores na Cozinha... com Casimiro Teixeira


Bolo de bacalhau
Há alguns anos atrás, descobri, pelo mero feliz acaso de me perder de propósito por
estradas desconhecidas, um restaurante de pé de estrada, nos arrabaldes de Aljezur, onde experimentei este prato tão simples, pelo qual me apaixonei, recriando-o depois em casa, vezes e vezes sem conta. Chamei-lhe "bolo de bacalhau", e, creio que é a sua simplicidade que o torna tão bom. É quase um hino à maravilhosa gastronomia alentejana, simples, simples, como tudo aquilo que é bom deve de ser: Bacalhau cozido, desfiado e sem espinhas, uma boa broa de milho, esmigalhada e embebida em azeite, espinafres escalfados, muitos coentros, muito alho, e já está. As porções são q.b. ao gosto de cada um, eu particularmente, abuso sempre um pouco nos coentros, pois viciei-me neste sabor. 

A preparação ocupa o seu tempo, mas vale bem a pena. Numa frigideira larga misturam-se os ingredientes com calma, mexendo sempre para não pegar ao fundo. Um bocadinho disto
um bocadinho daquilo, e aos poucos vai nascendo uma espécie de "roupa-velha" alentejana, pois o natal é quando um homem quiser e os apetites para aí puxarem. Não sejam tímidos com o azeite, de outro modo, isto ficará seco como as planícies alentejanas, garanto-vos, e o objectivo é ficar sedoso e húmido. Uma vez pronto, coloquem o preparado numa forma, (serve um "tupperware" redondo e côncavo) e virem-no para um prato. Voilá! É um deslumbre na boca.


Que Alguém Saiba que és um Homem
Prefácio por Luís Ferreira (Alcochete Jan/2013)

“A maioria pensa com a sensibilidade, eu sinto com o pensamento. Para o homem vulgar, sentir é viver e pensar é saber viver. Para mim, pensar é viver e sentir não é mais que o alimento de pensar.
Fernando Pessoa”

Nunca a citação inicial foi tão verdadeira para classificar uma obra, e, só por si, preencheria toda a nota de prefácio.

Ao longo da minha vida, e penso ser comum a muitos escritores, sempre procurei saber do por quê das minhas diversas reacções, dos meus sentimentos, da forma de agir, do que penso, do que faço e porque o faço. Dou por mim a meditar sobre tudo e mais alguma coisa, a deixar fluir essas reflexões sobre a forma de poesia e prosa.
É no repouso das palavras sobre o papel, que ansiosamente cumpro a ilusão de transmitir a autenticidade dos meus estados de alma, das minhas divagações, das minhas múltiplas vivências encarnadas num “eu” poético que se liberta e procura transmitir numa linguagem carregada de simbolismos tudo aquilo que me vai na alma.
Ao agarrar na obra “Que alguém saiba que és um Homem” de Casimiro Teixeira, encontro a fórmula gémea do que sinto e do que penso, um registo poético impetuoso, mesurado por um olhar cheio de sentimento consoante a respiração do momento, que através de uma poesia desprovida de métrica, entrega ao leitor todo um conjunto de confidências, de mensagens fortes, vivas e palpitantes, como se de um grito silencioso de alguém com sangue quente a correr nas veias alertasse para um espaço próprio e único, onde se move.
“Tenho sonhos doentes, que só a alma sente, anseios pisados, que por serem meus, assim os aturo.”, abre assim o primeiro poema da obra poética do nosso autor, um livro que completa uma teia poética que prende a leitura, onde o amor perfeito e imperfeito, correspondido e sofrido, do passado e presente, as memórias e o sentimento evoluem até à expiração humana de sermos melhores no tempo futuro, apesar de todos os medos que possam ai habitar.
Uma espiral de sensações que saciam a sede de quem lê. Um conjunto de afirmações e até provocações de uma alma pensante, que vive, que sente e no labirinto da vida onde se encontra como qualquer um de nós, demonstra por vezes a sua revolta, as suas dúvidas, o seu amor, afirmando a todos a sua verdadeira natureza e identidade.
“Que alguém saiba que és um Homem”, é muito mais que um livro de poesia, é uma obra que não deve ser apenas lida, porque as palavras que tacteiam os poemas através da carga simbólica a elas associada e que transportam para “momentos únicos” do nosso autor, devem ser meditadas, reflectidas e verdadeiramente sentidas.



Casimiro Teixeira

terça-feira, 4 de junho de 2013

Bolo de Canela

É um bolo perfeito para acompanhar um chá ou um refresco gelado, este bolo de canela! Fica muito fofo e alto. A receita não pedia fermento mas eu coloquei uma colher de sobremesa cheia.

Tirei-a do Blog Bimby and Me. E fiz assim:

No copo da bimby, depois de ter colocado a borboleta, deitei 6 ovos inteiros e 200 de açúcar já pulverizado, durante 6 m, 37*, vel. 4.

Adicionei 180 gr de farinha, o fermento e 20gr de canela. 15 seg, vel 4.

Verti para uma forma untada com spray e foi para o quentinho do forno durante 35m, 180*.



segunda-feira, 3 de junho de 2013

Lasanha de Peixe

Que fazer com três postas de salmão e mais outras tantas de pescada, já cozinhadas, e que os miúdos iriam torcer o nariz? Lasanha, claro!

Coloquei no copo da bimby uma cebola e duas cenouras e uma lata de tomate pelado das pequenas - 5 seg, vel 5. Deitei 50 ml de azeite e pus 7 m, vel. 2, 100*. Depois temperei com duas folhas de louro, um caldo de peixe, pimenta, sal e noz moscada uns minutos antes do tempo terminar.

Dispus num pirex um pouco deste molho de tomate no fundo e fui intercalando as placas com peixe, cogumelos e espinafres cozidos ao vapor e o resto do molho de tomate. No cimo ficaram placas de lasanha e por cima um pouco de molho bechamel ( 500ml de leite de soja, 40 gr de margarina de soja e 40 gr de farinha na bimby: 8m, 90*, vel 4). Polvilhei a lasanha com pão ralado misturado com salsa e alho em pó. Coloquei-a no forno durante 35m.

Ficou assim! E ficou boa!!!



domingo, 2 de junho de 2013

Gelado Fizz de Limão

Super rápido e muito refrescante este geladinho! Tinha uma lata de leite condensado aberta no frigorifico e aproveitei para fazer esta receita...

Coloquei dois limões lavados e cortados em quartos na bimby com 400 ml de água e 50 gr de açúcar. Dei uns toques no turbo e depois coei o líquido com a ajuda do cesto. Deitei de novo o liquido já coado no copo e juntei meia lata de leite condensado (alterei a receita e pus leite condensado cozido pois já tinha uma lata aberta) durante 1m, velocidade 3.

Deitei nas formas de gelado e coloquei no congelador.

Tirei daqui a ideia.


sábado, 1 de junho de 2013

Salmão no Forno em Cama de Legumes

Para o almoço fiz este salmão no forno. Numa cama de legumes, onde partilhavam o espaço, cebolas, couve coração, pimentos vermelhos, brócolos cortados em pedaços pequenos, esperavam a chegada de um pouco de azeite e sal aromatizado (já experimentaram dar uns toques no turbo a um pouco de sal, ervas aromáticas, casca de limão e laranja?). Por cima, as postas de salmão.

Acompanhei com puré de batata feito na bimby. Diz quem comeu que estava delicioso! Eu também achei...

Aqui ficam as fotos que tirei quando já todos tínhamos comido...